terça-feira, 27 de fevereiro de 2018

BCC: A fé das crianças e o Batismo infantil

Breve Catequese Católica
Por João Damasceno

As Escrituras tem na fé o fundamento do Batismo: “Aquele que CRER e for BATIZADO, será SALVO.1 (Mc 16, 16).”

A fé Infantil é confirmada por Cristo: "Quem recebe em meu nome uma CRIANÇA como esta é a Mim que recebe; quem escandalizar um desses PEQUENINOS que CRÊEM em mim, melhor fora que lhe atassem ao pescoço a mó de um moinho e o lançassem no fundo do mar. (Mt 18. 5 e 6)2 As palavras pequeninos e crêem, foram traduções derivadas do grego mikrrwn pisteu, respectivamente.
mikrrwn (μικρός) designa criança em mínima  idade,3  microindivíduos  de pouca ou nenhuma autonomia da vontade. Já pisteu4 provém do verbo crer, que importa em confiar, submeter ou aderir.5 (pistiV, πίστις εως, ἡ).

Crianças professam fé pela adesão espontânea ao Cristo: "TROUXERAM-LHE TAMBÉM CRIANCINHAS, para que ele as tocasse. Vendo isto, os discípulos as repreendiam. Jesus, porém, chamou-as e disse: DEIXAI VIR A MIM AS CRIANCINHAS E NÃO AS IMPEÇAIS, porque o reino de Deus é daqueles que se PARECEM com elas. (Lc 18. 15 e 16)”

De certo que só a Fé Perfeita ou Completa é a Virtude que permite conhecer e aceitar as Verdades Revelas. No entanto, convém esclarecer, para que não caiamos no erro dos protestantes, que FÉ não se confunde com a MERA NOÇÃO INTELECTUAL da Verdade Revelada.  Fé é um DOM, provém de Deus e é infusa no ser para que progrida. Esse Dom Ele distribuiu aos adultos, tanto quanto as crianças, pois está Escrito:  “é o mesmo DEUS que OPERA TUDO EM TODOS, (1 Cor 12, 6) de acordo com o GRAU DE FÉ que Deus lhes DISTRIBUIU. (Rom 12, 3)” Fé é sobrenatural, e “não provém de vossos méritos, mas É PURO DOM DE DEUS. (Ef 2, 8)”6 Jamais haveríamos de crer por nossos próprios meios.7  Como Dom Espiritual, é a capacidade extranatural que todo ser humano recebe, e que lhe permitirá crer em DEUS.

Fé não pode ser confundida com a razão ou vontade humana.  A simples noção intelectual sobre Deus e as Verdades Divinas não é Fé, pois se fosse, os demônios se salvariam. Fé é a capacidade sobrenatural de aderir a Vontade de Deus, e isto não vem da razão ou da vontade, corrompidas pelo pecado.

Crer é o alinhamento entre criatura e Criador, cuja perfeição do alinho dependerá do progresso da fé que dará plena Ciência sobre a Vontade de Deus. Nesta capacidade de adesão, também se inclui a fé incompleta das crianças, por não ser ainda intelectiva. Essa fé informe ou em formação que nos é legada na meninice, por sua incompletude, podemos dizer que está potência, sendo, no entanto, capaz de progredir.8   Diz-se completa, quando a fé que recebemos no espírito, atinge a razão, alcança a vontade, e por fim, se materializa nas ações, preenchendo o indivíduo por inteiro.
A credulidade potencial que nos é infusa desde a tenra idade, e sem a qual não creríamos no futuro, necessita progredir para que na fase do arbítrio e da razão se possa discernir em quem, e no que crer para que no progresso da fé se  alcance a salvação. 

A capacidade de evoluir pela razão e vontade é o  que transforma a potência em ato, tirando a fé da abstração, situando-a na realidade das ações concretas.

Explica Agostinho: “tanto o COMEÇO DA FÉ, quanto o seu PROGRESSO, há de ser ATRIBUÍDA a ação de DEUS no homem. Deus e o único autor da fé. Não apenas autoria, mas progresso e preservação cuja progressão e manutenção nos permite o acesso a salvação em Cristo; primeiro oferecemos a Deus o começo de nossa fé para receber o acréscimo; a Graça é creditada ao que crê para que sua fé cresça pelo auxílio do Senhor, e a fé aumentada seja a recompensa da fé começada.” (anos 354 à 430, cap. II, Da Justificação  dos Santos)” 

Por esta razão, é que a FÉ INCOMPLETA DAS CRIANÇAS, APERFEIÇOA-SE E SE COMPLETA, NA FÉ DA IGREJA. Tanto a Fé, quando o pecado, estão no ser humano como potências,9  sendo o Batismo, a via que nos retira da condição de reprovados, herdada pelo pecado do primeiro homem, inserindo-nos no Corpo de Cristo para nos tornar partícipes de seu sacrifício, afim de que os pecados de atos e hábitos possam ser prevenidos na santidade, e reparados no arrependimento.

Negar a fé como Dom Divino, e inseri-la no âmbito natural das noções cognitivas ou vontades sensíveis, implica reconstruir o erro pelagiano de nos atribuir nossa própria salvação:10  “Mas por que não ouvir as palavras do Apóstolo que contrariam esta doutrina? O início da fé, de quem procede?” (S. Agostinho, Da Justificação, cap. III)”

O potencial da fé autoriza as crianças interagir com Cristo: “Nunca lestes estas palavras: Da boca dos MENINOS E DAS CRIANÇAS DE PEITO11 (θηλάζω) tirastes o vosso louvor? (Mt 21, 16)”

Ensina Santo Tomás: “E assim, a FÉ PERFEITA DO BATIZADO NÃO É NECESSARIAMENTE EXIGIDA PARA RECEBER O BATISMO, como NEM A FÉ PERFEITA DE QUEM BATIZA[...] pois este não se perfaz pela justiça de quem o confere, nem do que o recebe, mas pela Virtude de Deus. (Suma Teológica, Q 68, art. 8º DO SACRAMENTO DO BATISMO)”

O Evangelista usa o termo pisteu, tanto para identificar a fé infantil, quanto para identificar a fé apta para o Batismo. Analisemos: “Aquele que CRER e for BATIZADO será salvo, (mas aquele que não crê será condenado, (Mc 16, 16). (PISTEUsaV kai BAPTI sqeiV swqhsetai o de apisthsaV katakriqhsetai - Mc 16, 16)

Comparemos:12 “quem escandalizar um desses PEQUENINOS que CRÊEM em mim, melhor fora que lhe atassem ao pescoço a mó de um moinho e o lançassem no fundo do mar; (Mt 18, 6)
(oV d an skandalish ena twn MIKRWN toutwn twn PISTEUontwn13 eiV eme sumferei autw ina kremasqh muloV onikoV epi ton trachlon autou kai katapontisqh en tw pelagei thV qalasshV)

Continua Santo Tomás: “Embora por razões biológicas não possam ainda expressar a fé através da vontade, intelecto e ações, AS VIRTUDES DESSA FÉ JÁ SE ENCONTRAM NAS CRIANÇAS DE MODO PERFEITO, sem a desordem do livre arbítrio. Essa impotência no obrar não existe nas crianças por defeito dos hábitos, MAS POR PURO IMPEDIMENTO CORPORAL, assim como os adormecidos, embora tenham o hábito das Virtudes, não lhes podem, contudo expressá-las em atos, por causa do sono. (Suma Teológica, Q 69, art. 6º do Batismo)”

O que falta a fé das crianças, que é o efeito concreto sobre a vontade e razão, se completa na FÉ DA IGREJA até a confirmação pessoal do Batismo, no Crisma.14 
Isso é possível, porque formamos um só Corpo, num só Batismo15 em Cristo.
Somos libertos do pecado original no Batismo, para que regenerados, possamos ordenar nosso arbítrio à salvação, sem a carga do pecado adâmico nos obstruindo. Para tanto, é essencial que creiamos, e tenhamos ainda disposição para aceitar o efeito sobrenatural do Batismo. 

Disse Agostinho:  “os filhos deste mundo geram e são gerados; o homem exterior, PELO BANHO DA REGENERAÇÃO, É SANTIFICADO e recebe a esperança da incorrupção futura. (Do Matrimônio e Concupiscência. Cap. 1,18,20).” A FÉ DAS CRIANÇAS, aliada a FÉ DO CORPO MÍSTICO DE CRISTO que é a Igreja,16 se fundem num mesmo Elemento Espiritual, tornando-se unas no Batismo pela Comunhão com o Corpo de Cristo.  O Batismo liga as crianças de modo direto e pleno ao sacrifício da cruz, do qual também necessitam.

1. A recíproca é verdadeira: se as criancinhas não tivessem fé apta para o Batismo, estariam condenada, porque: “ SEM FÉ, É IMPOSSÍVEL AGRADAR A DEUS. (Hb 11, 6)”
2. No grego “oV d an skandalish ena twn MIKRWN toutwn twn PISTEU ontwn eiV eme sumferei autw ina kremasqh muloV onikoV epi ton trachlon autou kai katapontisqh en tw pelagei thV qalasshV (Mt 18, 6)”
3. Exemplo: “Conseguiu que todos, pequenos (mikrrwn) e grandes, ricos e pobres, livres e escravos, tivessem um sinal na mão direita e na fronte.” (Ap. 13, 16): 
 Mikrrwn é uma palavra grega usada para representar faixa etária mínima. http://biblehub.com/greek/3398.htm
6. No grego lemos dowron, significa Dom que é dado livremente em caráter geral. (At 20, 35). (http://biblehub.com/greek/1325.htm). 
Difere  do Dom Particular (charisma) que é individual, dado a cada um em diversas espécies (I Cor 7, 7)
7. “não há razão para nos gloriarmos, quando nada é nosso, dizia S. Cipriano de Cartago, (A Quirino, 1,111, c.4)
8. A teologia usa o termo FÉ INFORME para a fé iniciada, incompleta; e FÉ INFORMADA para a fé plena e completa.
9. POTÊNCIA é aquilo que está no sujeito, mas ainda não se manifestou, e quando se manifestar, é que criar-se-á o ato. A vontade é um exemplo de potência, que quando se exterioriza no mundo fático, tem-se o ATO.
10. A doutrina pelagiana fora proclamada herética, pelo Sínodos de Cartago (418) e o semipelagianismo, uma versão menos radical da ideia, pelo Orange (526).
11. Aqui a palavra usada é thélazó (θηλάζω), que significa recém nascido ou lactante.http://biblehub.com/greek/2337.htm
13. Pisteu (crer) + sufixo twn=sagrado. (http://biblehub.com/greek/4100.htm)
14. Sacramento da confirmação do Batismo que se faz mediante aspersão do óleo. (Livro Vol.IV)
15. HÁ UM SÓ SENHOR, UMA SÓ FÉ, UM SÓ BATISMO. (Ef 4, 5) Um só Batismo em sentido de Comunhão, e não apenas em número.
16. CONCÍLIO DE TRENTO: “CÂN. XIII - Se alguém disser que as criancinhas, depois de recebido o Batismo não devem ser contadas entre os fiéis, pois não fazem ato de fé, e que por este motivo devem ser rebatizadas quando cheguem à idade da razão, ou que é mais conveniente deixar de batizá-las, que conferir-lhes o Batismo com apenas a fé da Igreja, sem que elas creiam por ato próprio, seja excomungado. (ano 1545)”

0 comentários:

Postar um comentário

Sua postagem dependerá do Moderador do Blog.

Não publicamos comentários sem assinatura (Anônimos).

Obrigado pelo comentário. Sua ajuda faz nosso trabalho melhor.
_____________________________
Equipe do Blog do Silvério Alves

Drogaria Luana

Drogaria Luana

Multiclínica Lapac

Multiclínica Lapac

Auto Escola São Paulo

Auto Escola São Paulo

Arquivo

.

.

.

.

.

.
Tecnologia do Blogger.