sábado, 7 de março de 2015

Meu pai Pedro Raimundo: "Naquela mesa está faltando o senhor"



Silvério Alves

Meu pai, Pedro Raimundo da Silva, 89 anos de idade, casado há 58 anos, com dona Joana Alves da Silva, com quem teve 12 filhos, 14 netos e um bisneto, somando-se seis genros e quatro noras, nasceu no dia 11 de fevereiro de 1926, no Sítio Boa Vista, em São Paulo do Potengi, sendo filho de Joaquim Raimundo e Tomásia de Azevedo.

Agricultor por vocação, viveu trabalhando na terra, onde constituiu e criou sua família. Ainda jovem, numa época em que o atendimento de saúde era bastante precário, especialmente para os mais necessitados, ele vendo o sofrimento dos mais simples, num curso oferecido pelo Centro Social São Paulo, presidido por Monsenhor Expedito,  aprendeu a aplicar injeção e passou a atender a quem o procurava na nossa comunidade, Boa Vista, e vizinhança, sem cobrar nada.  Ele quando falava do assunto, costumava brincar, dizendo: "Estudei pra ser médico, aprendi a aplicar injeção".

No começo dos anos 60, fez parte de um grupo de agricultores potengienses que fundou o Sindicato dos Trabalhadores Rurais de São Paulo do Potengi (o 1º do Brasil), chegando a ser seu presidente. No início dos anos 70, quando chegou a aposentadoria para o homem do campo, ele foi 60 vezes (toda semana) à cidade de Lajes, conduzindo os agricultores para se aposentar, pois era ali que funcionava o Escritório do Governo Federal de Aposentadoria.

Com Monsenhor Expedito Medeiros, de quem era amigo pessoal, juntamente com outros evangelizadores, ajudou a criar e a manter vivas as Comunidades Eclesiais de Base.

 Pertenceu a ACR, Animação dos Cristãos no Meio Rural, movimento católico que existia em todo o Nordeste brasileiro. Fazia Parte do Encontro de Casais com Cristo, era devoto do Santíssimo Sacramento e de Maria Santíssima, não perdia a feira nem uma missa aos domingos. Um homem de bem com a vida, com a família, com os amigos, com a comunidade e com Deus.

Uma pessoa simples, que adorava conversar. Junto com minha mãe, educou os seus filhos, orientando-os para os caminhos do bem, sendo que todos estão seguindo os seus ensinamentos, baseados nos princípios da moral e da ética cristã.

Daqui a meu pai, nossa mais sincera homenagem (de todos os seus filhos, netos, bisneto, noras, genros  e familiares), na certeza de que ele, como disse São Paulo, combateu o bom combate, guardou a fé, e está na presença do Pai de Infinita Misericórdia, contemplando a Glória Eterna, intercedendo por todos nós.

Pra finalizar, cito versos de músicas bastante conhecidas do nosso povo: 

"Fica sempre um pouco de perfume nas mãos que oferecem rosas, nas mãos que sabem ser generosas".

"Meu querido, meu velho meu amigo"

"Naquela mesa está faltando ele e a saudade dele está doendo em mim".

Valeu papai, valeu meu heroi, fique com Deus.

2 comentários:

  1. Meu amigo, Silvério, conheço a dor dessa perda. Desejo a você e a todos os familiares muita força nessa hora difícil.

    ResponderExcluir
  2. meus cinceros sentimentos de pesares a você extensivo todos seus familiares.Nil SOARES,ACS aqui de Ruy Barbosa rn

    ResponderExcluir

Sua postagem dependerá do Moderador do Blog.

Não publicamos comentários sem assinatura (Anônimos).

Obrigado pelo comentário. Sua ajuda faz nosso trabalho melhor.
_____________________________
Equipe do Blog do Silvério Alves

MULTICLÍNICA LAPAC

MULTICLÍNICA LAPAC

UNIFARMA BENTO

UNIFARMA BENTO

Auto Escola São Paulo

Auto Escola São Paulo

Arquivo

.

.

.

.
Tecnologia do Blogger.